Arquibancada Palestrina

Um blog de Palmeirense de arquibancada

Mais um dia para mostrar que Palmeiras não é moda!

Por João Malaia (@ArqPalestrina)

Não vem com historinha, não nego! Palmeiras não tá na moda! Palmeiras nunca foi moda!

Amigos, nasci em 1974. Primeiro caneco que me lembro ver o Palmeiras levantar foi o Paulista de 1993. Já tinha 19 anos. O poster mais foda que tive na parede até os 19 anos foi esse aqui. Foi também essa minha primeira camisa oficial que comprei com meu suado dinheirinho. Palmeiras, campeão do 1º turno do Campeonato Paulista de 1987. Portanto, à merda vocês, torcedores dos times do povo, dos times da moda!

Meus ídolos da adolescência. Em pé: Lino, Ditinho, Wagner, Marcio, Renato e Zetti; agachados: Junior, Gerson Caçapa, Guina, Edu e Mauro.

Poderia aqui fazer uma lista das tragédias que me fizeram ainda mais apaixonado pelo Palmeiras (aliás, tem uma lista de tragédias do Palmeiras – com algumas falhas de datas – no blog impedimento.org). Mas destaco uma em especial. Tinha eu 16 anos, o ano: 1990. Depois de perder uma final para a Inter de Limeira e uma semi para o Bragantino, tudo parecia tomar rumo, quando precisávamos de uma vitória simples contra a Ferroviária, no Pacaembu, desde que a Lusa roubasse pontos do Novorizontino no Canindé. Com isso, teríamos a final e a revanche do ano anterior contra o Bragantino.

Empatamos o jogo, fomos para o 14º ano da fila e fui chacota na escola, de novo. Fui para a aula com a camisa do Palmeiras, aquela verde da Coca-Cola. Chorava tanto e era tão zuado nos corredores que o coordenador ligou para a minha mãe, dizendo que estava me mandando de volta para casa.

Vejam a notícia da Folha de São Paulo do dia 16 de agosto, dia seguinte do empate. Reparem em uma coisa. Troquem o nome do técnico Telê Santana, por outros figurões que nos dirigiram nos últimos anos. Troquem o nome de Velloso por Bruno, de Dida por Juninho, Elzo por Marcos Assunção. Troquem o nome do Marcio Papa, por Frizzo. Troquem o nome de Ranieri e Marques por algum perna de pau que anda por aí num timeco da série B. Troquem Caxias por um time meia-boca, um Ituano, São Caetano. Vejam como a coisa não mudou muito:

E no dia seguinte, a torcida quebrou a sala de troféus, invadiu o clube. A imprensinha deitou e rolou. Principalmente a Folha SP. Dedicou uma página inteira de seu caderno de esportes do dia 17/08/1990 para quatro matérias do Palmeiras. O quebra-quebra no clube; o possível encerramento de carreira de Marcos Assunç… opa,  do Elzo; as ameaças de morte ao diretor de futebol Frizz… opa, Marcio Papa; e a última no fim da página intitulada “A Saga Palmeirense”.

Essa última matéria descrevia as tragédias do Palmeiras contra times do interior, relembrando Guarani-78, XV de Jaú-85, Inter de Limeira-86 e o “Bragantinne’s 13 anos” (expressão usada pela Folha SP) de 1989.

Imprensinha deitou e rolou em 1990. O que você vai esperar amanhã?

Hoje teremos mais um dia histórico. Mais um dia para a imprensinha colocar na sua tentativa de diminuir o Palmeiras. De dar valor a episódios menores para fazer a sua própria saga: a saga de diminuir o Palmeiras.

E parem de chorar que é série B e o caralho a quatro. Vão se foder! Eu amo esse time, não importa aonde, nem quando, nem como, nem em que situação. Vão à merda! Hoje é mais um dia para provar quem é quem, para mostrar o que é ser torcedor.

Time do povo? À merda vocês todos! Time do embalo, time para o qual é fácil torcer, com maioria dos colegas na escola, com a maioria dos professores, com a maioria dos diretores, porteiros, empregados. E com a maioria da imprensa esportiva, esse lixo humano deplorável que se salva com raros profissionais que realmente entendem o seu papel social.

Tri-Mundial? à merda vocês também! Outro time da moda, que é a maioria entre a molecada que corta o cabelinho igual ao do Neymar e paga pau para o mau-caráter do Rogério Ceni.

Só para lembrar: quando os bambis caíram no Paulistão, deram balão e voltaram à primeira divisão no mesmo ano. E ainda foram campeões.

Só para lembrar 2: quando os gambás caíram, o A. Sanchez deu coletiva em Goiás dizendo que os rivais podiam tirar sarro de três coisas deles. A queda para a segunda divisão e o fato de eles não terem estádio e não terem Libertadores. E cravou: “tirem sarro enquanto podem, pois isso vai acabar. Meses depois os gambás subiam, contratavam Ronaldo, Sanchez ia para a CBF e o Itaquerão foi anunciado. A Libertadores era questão de tempo.

Vão para a puta que pariu! Caímos na bola, vamos voltar na bola. Construímos nosso estádio em um dos melhores bairros da cidade sem dinheiro público. Não estamos misturados com a corja putrefata da imprensa esportiva, da Globo e da CBF.

E hoje, vamos todos, Palmeirenses. Vamos unidos para onde o resultado nos levar. E se for para a série B, que seja. Vamos dar um grito de “EU TE AMO, PALMEIRAS”.

Depois, vamos sair com a camisa do Palmeiras com orgulho. Mas não é para fazer como muito Palmeirense por aí que brada na internet, nos blogs, sites e Twitter que vai sair com a camisa do Palmeiras e no dia seguinte eu vejo o camarada sem a camisa.

Tem que colocar a camisa, MESMO. Tem que bater no peito que aqui é Palestra! Tem que mostrar que aqui não tem time da moda.

Maluco, passei 19 anos aguentando piada. Desde quando me entendia por gente, até os 19 anos, fui motivo de piada e de chacota na escola. Não vai ser uma queda para a serie B que vai mudar meu amor pelo Palmeiras. Aliás, vai mudar, sim! Vou te amar mais, meu Palmeiras querido.

Vamos juntos, sempre. Vamos, Palmeiras! Que seja onde for! Estaremos sempre juntos. Comigo você pode contar. E com mais uma pá de gente também. É não é?

Anúncios

3 comentários em “Mais um dia para mostrar que Palmeiras não é moda!

  1. hiRyu
    novembro 18, 2012

    concordo plenamente…

    Apesar de tudo, o Palmeiras pode contar comigo também!

  2. Paulo
    novembro 18, 2012

    perfeito comentário, colega! Amanhã de verde! Li no Verdazzo algo como “o tamanho de um gigante se conhece pela queda” … Se estão fazendo tanto barulho com nossa queda, é porque somos enormes! Abs

  3. Paulo
    novembro 18, 2012

    pra melhorar a frase, “o tamanho de um gigante se conhece pelo barulho da queda”… abs

Deixe um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às novembro 18, 2012 por em Tensão Pré-jogo e marcado , , , , , , , .

(Publicidade Gratuita até 20/05/14) #AvantiBasqueteSEP

@ArqPalestrina

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

%d blogueiros gostam disto: