Arquibancada Palestrina

Um blog de Palmeirense de arquibancada

“Não é mole, não! Aqui dentro ninguém ganha do Verdão!”

Por João Malaia (@ArqPalestrina)

torcidaDifícil escrever sobre algo quando esse algo te traz sentimentos que são impossíveis de serem traduzidos por palavras. Hoje, mais uma vez, o Palmeiras venceu seu jogo de basquete pela NBB. Foi a nona (9ª) vitória seguida do Palmeiras em casa. Segundo Fernando Gallupo, foi a primeira vez em todas as cinco edições da NBB que uma equipe estreante termina um turno inteiro sem perder em casa. Sair da lanterna e terminar a competição com uma sequência dessas em casa seria suficiente para tirar as palavras de qualquer um. No entanto, não é só esse fato que faz com que me faltem as palavras.Hoje, mais uma vez, a torcida jogou junto com o time. E farei agora um esforço para conseguir colocar neste espaço o que aconteceu no Palestra hoje. Tudo estava planejado com antecipação: bexigas e papel laminado picado para o fim do jogo e o lugar de sempre reservado (atrás do banco adversário) para um grupo de alucinados que não dá um segundo de sossego para os adversários. E mais uma vez, para aquele grupinho que fica ali, esse foi um dos pontos altos da partida. E desde antes do jogo começar.

Quando o Limeira terminou o aquecimento e veio para o banco, logo ouviu de cerca de dez pessoas que ali estavam: “Aê Limeira, o inferno chegou! Aqui é o inferno verde! Aqui é Palmeiras!”, além de uma série de outras, digamos, “palavras de ordem”. E os jogadores do Limeira olharam para a gente e já começaram a rir e entraram na esportiva com a gente. Soltei “Pessoal, nós vamos xingar muito vocês, vamos aloprar o tempo todo, sem parar um minuto, mas acabou o jogo é nóis, tudo na paz”. Vários jogadores nos olharam, riram, olharam uns para os outros e, lá no íntimo, devem ter pensado: FODEU.

Brown na bandeja. Ginásio quase lotado. Foto Fabio Menotti/ Palmeiras.

Brown na bandeja. Ginásio quase lotado. Foto Fabio Menotti/ Palmeiras.

E foi isso mesmo. Durante os 40 minutos de jogo, nós infernizamos os caras no banco. De repente, fomos aloprar o jogador Diego, que estava no banco do Limeira. Ele olhou para trás e disse: “Sou Vasco. Sou Força, aqui é irmandade”. Essa foi a mesma frase dita por outro jogador para nós, Leandro. Salvaram (um pouco) a pele deles durante o jogo.

No intervalo, os jogadores permaneceram por algum tempo em quadra. Tiagão fez um breve discurso de agradecimento ao microfone e os jogadores lançaram camisas e bolsas oficiais para a torcida. Foi um momento lindo.

Double-Double de Tiagão: 17 pontos, 10 rebotes. Um monstro! Foto: Fabio Menotti/ Palmeiras.

Double-Double de Tiagão: 17 pontos, 10 rebotes. Um monstro! Foto: Fabio Menotti/ Palmeiras.

Pior, após o intervalo, quando Diego tinha feito já uns 6 pontos, falamos para ele “Diego, se continuar assim vai ficar ruim para você”. Ele riu, veio no alambrado e nos disse: “O Clei é gambá, o cara é gambá”. Pronto, mais de 5 minutos zoando o tal do Clei que, confesso, até agora não sei direito se era Clei. Sei que até o Demétrius, técnico deles rachou de rir. Mandei para ele: “Aê Demetrius, o Clei é gambá?” e o cara riu mais ainda. Ainda perguntou para nós: “Quem contou para vocês?” e rapidamente apontei para Alemão, outro jogador do Limeira que também estava rachando de rir com a história.

O segundo tempo foi lindo. Bexigas verde e brancas espalhadas por todo o ginásio e a torcida, que quase encheu o Palestra, cantando e incentivando. E quando a torcida começou a cantar o hino, um fato, no mínimo, inusitado. O ala do Limeira, Matheus Alla, olha para seu colega de time Leandro, levanta um dos braços e canta um pedaço do hino baixinho com a torcida. Não acreditei. Acabou o hino e gritei para ele que me olhou. Apontei o símbolo para ele e gritei: “Matheus! Aqui é nóis, tô ligado, hein?” Ao que fui correspondido com um sorriso e um sinal de positivo com a cabeça.

Matheus Dalla: cantou o hino e tudo. Palmeirense!

Matheus Dalla: cantou o hino e tudo. Palmeirense!

Quem não estava acreditando na zueira que estávamos fazendo era o técnico deles, o Demétrius. A cada tempo que o cara pedia a gente azucrinava o tempo todo, gritando e assoviando. Ele tinha que berrar  para passar as instruções. No último tempo do jogo, ele levou os jogadores para o meio da quadra, pois ali aonde estávamos era impossível alguém ouvir algo. Reparei que havia um cara que não conseguia prestar atenção no Demétrius. Era o norte-americano Carter, que parecia não entender porque 20, 30 pessoas passavam o tempo técnico inteiro azucrinando um time.

Aproveitei que Carter estava impressionado e na primeira oportunidade que se aproximou do banco, ouviu: “Carter! Carter!”. Quando olhou para mim, ouviu de novo: “Carter, this is Palmeiras, man!”. E consegui fazer isso com ele mais duas vezes. O cara me olhava, ria meio sem jeito e parecia que os jogadores do banco tentavam explicar para ele a natureza de tanta insanidade. Não sei se ele um dia vai entender. Talvez se jogar aqui…

Faltando 1 minuto e 40 segundos, o Limeira empatou. Buscou um resultado de 10 pontos atrás em menos de 5 minutos. O ginásio gelou. Mas o Palmeiras não esmoreceu e conseguiu abrir 4 pontos no final. Mais festa da torcida. Papel laminado picado, hino, festa e o já tradicional encontro dos jogadores com a torcida. Mais uma das coisas lindas do basquete: o apreço e o carinho de nossos jogadores com a torcida.

Depois de tudo recolhido, fiz questão de cumprimentar Matheus, Leandro e Diego, do Limeira. E Carter, que não entendia bem o que rolava, estava por ali com mais dois jogadores. E eu: “Carter! Carter! Carter! Carter! Carter! Carter! Carter! Carter! Carter! Carter! Carter! Carter! Carter!”. E nada dele olhar. O auxiliar olhava para mim, os dois jogadores do Limeira olhavam para mim, mas nada do Carter: “Carter! Carter! Carter! Carter! Carter! Carter! Carter! Carter! Carter! Carter! Carter! Carter! Carter! Carter! Carter! Carter!”. Até que uma hora ele olhou: “Carter, this is Palmeiras, man! Playing here is a fucking hell”. O cara não acreditou. Não sabia direito o que acontecia, mas sabia que o que eu falava era a mais absoluta verdade.

Foto: Fabio Menotti/ Palmeiras

Foto: Fabio Menotti/ Palmeiras

Ficamos por ali com os jogadores, batendo papo, dando nosso último apoio, nosso último agradecimento. Faço questão de contar um episódio: um menino de cerca de 5 anos gritava para Artur Pecos “William, William”. Eu disse para ele: “É Artur” chama ele aqui que ele vem. O menino chamou, Artur veio, me deu um abraço e foi falar com o menino, que lhe pediu uma camisa. Artur disse “Já dei minha camisa para meu primo”. Ao ver a cara de decepção do menino, Artur emendou: “Serve um short?” E o menino “Serve”. Artur foi ao vestiário e trouxe um short gigante para o menino. Quase chorei. Parabéns, Artur. Que ato bonito você teve.

De minha parte, tenho agradecimentos ao Palmeiras aos jogadores, mas um agradecimento especial à torcida do Palmeiras. Nossa torcida é uma instituição. E eu tenho orgulho de fazer parte dela. E queria agradecer, emocionado e de coração, com as lágrimas chegando aos cantos dos dois olhos, tudo o que vocês representam para mim. Para o Palmeiras, todos já sabem o que representam. Talvez para mim, vocês não saibam.

Eu sou um cara cuja família toda mora em Portugal, um cara que tem um filho que ele ama demais e que mora no Rio de Janeiro e que muitos desses amigos de bancada puderam conhecer. Por isso, minha família também são vocês. Com vocês compartilho momentos de plena felicidade, de plenitude no ato que eu mais acredito como pessoa: na força da torcida. Eu não acredito em muita coisa, não. Como marxista, não me permito a muitas crenças. Mas nessa eu acredito. E, com nosso basquete, isso está, mais uma vez provado.

Obrigado amigos. Obrigado, mesmo, de coração. Obrigado por me fazerem sentir menos sozinho. Obrigado. Compartilhamos ali naquele ginásio momentos que nunca sairão da nossas memórias. E que carregaremos para sempre, contando para nossos filhos e nossos netos. Contaremos que fomos, em 2013, o sexto jogador do time de basquete do Palmeiras.

Parabéns a todos os jogadores.

A emoção me impede de escrever mais. Desculpem. Amo vocês. De verdade.

______________________________

Mais tarde farei outro post com as fotos que a Vanessa tirou.

Anúncios

22 comentários em ““Não é mole, não! Aqui dentro ninguém ganha do Verdão!”

  1. Ricardo faria
    abril 7, 2013

    joão, valeu!!! até nossa próxima temporada do Paulista!

  2. Valeu “Torcida 6”!!!!! Vamos levar esse basquete para frente! Abraço e tamojunto!

  3. Samir Kelvin
    abril 7, 2013

    Meu , eu que agradeço por esses momentos inesqueciveis que venho tendo ultimamente.
    Depois do Fatidico e triste ,18 de Novembro de 2012, eu me propus a me comprometer com o Palmeiras e estar presente em todos os momentos .
    Larguei baladas que gostava (e gastava) tanto , pra por em pratica todo amor pelo palmeiras que eu sempre tive e sempre terei , que jamais esmureceu , e que sempre acompanhei.

    E minha vida esta muito mais alegre agora , sem mentira , voces não ligam de como ,quem ou o que voce é …o que importa é ser palmeiras ,que será bem vindo.

    Obrigado a todos e estamos juntos sempre !

    Obs : Obrigado por deixarem meu irmão em ecstasy e euforico , o muleque num fala em outra coisa aqui em casa , alias ele só tem 12 anos e foi o primeiro contato dele com a arquibancada

    • arquibancadapalestrina
      abril 7, 2013

      Samir,
      Foi linda a participação do seu irmão. Se ali estamos em casa, quem está ao nosso lado é nossa família.
      Um grande abraço para você. E muitos encontros de arquibancada para nós!
      Grande abraço!

  4. Stefano Tevo Filho
    abril 7, 2013

    Parabéns, amigo. Bela crônica, bela ideologia. Eu, meu filho e neto estávamos perto de vcs e pegamos uma das camisas arremessadas. Pena q ñ vimos vc. ABÇ

    • arquibancadapalestrina
      abril 7, 2013

      Stefano, muito obrigado pelas palavras. Estou quase sem dormir de tão eufórico. Um grande abraço para você, seu filho e neto. Da próxima vez, vamos nos encontrar.

  5. Guilherme
    abril 7, 2013

    Sensacional essa torcida!

    Espero ir em mais jogos ano que vem.

  6. Vitor Gomes
    abril 7, 2013

    João, to sempre de olho aqui no blog, mas agora vim pra comentar.

    Passo pra dar os parabéns pelo o que você e o Marcelo tão fazendo pelo basquete, pelo futsal e, principalmente, pelo Palmeiras.

    Eu não posso participar tanto disso quanto eu gostaria, então acabo dando prioridade pro futebol. Mas me sinto representado por vocês nesses jogos que não posso comparecer. É incrível o que a torcida conseguiu fazer com o basquete.

    Quinta feira é nóis no Pacaembu!
    Abraço!

    Vitão

  7. Kauê Boidi Pereira
    abril 7, 2013

    Cara, parabens de verdade pelo que vc ta fazendo. No começo de janeiro foi assistir pela primeira vez um jogo de basquete, mesmo sem conhecer as regras direito, nem jogadores. Mas, fui ver o Palmeiras, o ginasio. Foi Pameiras e basquete cearense, perdemos no detalhe, ficou a impressão que dava para ganhar. E desde então comecei a acompanhar o basquete pela internet (já que moro em Cuiabá-MT). E foi aqui que achei um bom lugar para se ter noticias do basquete, para saber cm foi o jogo, a emoção da partida q só um palestrino sabe. Então, só tenho a agradecer e parabenizá-lo. E viva a Sociedade Esportiva Palmeiras e nós, a mais apaixonada torcida.

    • arquibancadapalestrina
      abril 7, 2013

      Valeu, Kauê! Bom saber que a galera de fora acompanha por aqui nossos esportes. Agora, daremos uma atenção mais especial ao futsal e depois, em agosto, voltaremos com nosso basquete.

      Grande abraço,

      João

  8. samuel
    abril 7, 2013

    orgulho de pertencer a nação verde somos como a mata amazonica grande

  9. Lucas Maximo Lial
    abril 7, 2013

    Ontem (influenciado pelos seus excelentes textos) quase fui para o palestra,estava ali do lado …mas infelizmente sai do meu compromisso e já era 19h e 10min.. mas ainda irei assistir um jogo de basquete com essa torcida maravilhosa.
    Abraço

  10. siro casanova
    abril 7, 2013

    LI TODOS OS COMENTÁRIOS E ESTOU MUITO SATISFEITO DE PODER AJUDAR A TODOS VOCÊS E A MIM MESMO , POIS FICO FELIZ COMO TODOS VOCÊS.DEVEMOS MUITO AO DINHO , HOJE DIRETOR DE ESPORTES OLÍMPICOS DA S.E.PALMEIRAS , QUE FOI QUEM TIROU NOSSO TIME DAS TREVAS , LEVANDO A NBB , E EU APENAS AJUDO NO QUE POSSO .
    SAUDAÇÕES ALVIVERDES !!!
    SIRO CASANOVA

  11. MARIA INES FERNANDES
    abril 7, 2013

    Obrigada a voces, que empolgaram, e ajudaram sempre os meninos a se fortalecerem na quadra além de ser PALMEIRAS sou MÃE do ARTHUR PECOS, que voce acabou de elogiar no seu texto. Seu texto me fez chorar, de prazer e de orgulho. MUITO OBRIGADA .

    • arquibancadapalestrina
      abril 8, 2013

      Sra. Maria,

      Nós é que lhe agradecemos de ter educado seu filho de maneira espetacular. Arthur é um menino muito do bem e nós adoramos a maneira como ele se entrega em quadra e o respeito que seu filho tem por nossa torcida. Fico realmente emocionado de saber que temos ao nosso lado uma pessoa como você e seu filho.

      Saiba que o ato dele com aquele menino ficará registrado para sempre na minha memória. Sou pai e sei o quanto aquela criança ficou feliz com um ato simples e de muito coração de seu filho.

      Parabéns. Nós é que devemos lhe agradecer.

  12. Henrique Rodriguez
    abril 8, 2013

    Parabens cara, isso é Palmeiras!, qndo me muda pra sampa vo começa a cola no basquete tb. a torcida do Palmeiras é foda! sem mais.

  13. Caio Invidia
    abril 8, 2013

    Parabens cara, o Arquibancada Palestrina esta sendo o elo de ligacao entre o basquete e a torcida do Palmeiras fora do ginásio, já que o reconhecimento da mídia ainda está ”engatinhando”. Agora, devemos nos unir e buscar um movimento na internet, que chegue até a Diretoria, para que percebam que a torcida não abre mão do basquete e que queremos uma temporada 2013/14 como o fim dessa temporada 2012/13. Devemos manter as pecas chave (como Ty, CB, Guto, Tiagao, Pecos e Scaglia. Sem contar Wiggins, Marcão. Enfim, quase o time completo, haha!), e sensibilizar toda a diretoria Palmeirense que 2013/14 é o ano do Basquete!!

    • arquibancadapalestrina
      abril 8, 2013

      Oi Caio, obrigado pelas palavras. Conversei com o Dinho antes do jogo e falamos um pouco sobre o futuro do basquete do Palmeiras. Não tenha dúvida que o papel da torcida está sendo fundamental para que se consiga manter o basquete do Palmeiras. Vamos continuar apoiando e acredito que para o ano que vem teremos um time ainda mais forte. Abs

      • Caio Invidia
        abril 8, 2013

        Ao fim do jogo, conversei com o Tiagão e fiquei um pouco preocupado. Perguntei sobre o Paulista e ele me disse (evidente) que a vontade dele é de ficar e jogar os próximos campeonatos. A questão é de que o seu contrato acabou e ainda não sabemos qual o se futuro. Muitos contratos estão pra expirar e perder essas pecas agora que estamos numa crescente, seria péssimo. Abracos!

  14. siro casanova
    abril 9, 2013

    CALMA AMIGOS , HOJE JÁ VAMOS COMEÇAR AS NEGOCIAÇÕES COM NOSSOS JOGADORES!!!

    SIRO CASANOVA

Deixe um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em abril 6, 2013 por em Basquete Palmeiras.

(Publicidade Gratuita até 20/05/14) #AvantiBasqueteSEP

@ArqPalestrina

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

%d blogueiros gostam disto: