Arquibancada Palestrina

Um blog de Palmeirense de arquibancada

#AvantiBasqueteSEP Todos ao Palestra, Sábado (4/5) 10h30

tag

Por João Malaia (@ArqPalestrina)

Algumas pessoas devem até achar estranho que os últimos posts deste blog, feito por um cara que frequenta as arquibancadas do estádio de futebol do Palmeiras desde 1988, foram sobre o basquete do Palmeiras. Nem um post sobre o excelente empate do Palmeiras no México contra o Tijuana eu escrevi. Nem eu nem o Marcelo. Mas quem foi ao basquete do Palmeiras nesse ano, durante nossa primeira oportunidade de jogar uma NBB, não acha nada estranho. Para aqueles que tiveram a oportunidade de ver os jogadores de basquete chorando, isso mesmo, CHORANDO, por terem perdido para o Tijuca, em casa e chegando à lanterna da competição ao final do primeiro turno, nada disso é estranho. Os que viram esses mesmos jogadores que choraram se matarem em quadra e conseguirem encaixar nove (9!!!) vitórias seguidas em casa, uma das maiores proezas de uma equipa na recente história da NBB, também não há nada de anormal em tantas matérias sobre o basquete. Para esses, nada mais natural que tamanha luta, tamanho amor, tamanha devoção e agora, mais que nunca, tamanha dedicação.

Sempre costumamos dizer: aqui é uma SOCIEDADE ESPORTIVA. E antes que algum imbecil de plantão, ou um chapa-branca cretino se disponha a dizer que o futebol não deve sustentar o basquete, já avisamos: não somos imbecis e cretinos de pensar que o futebol deve sustentar o basquete, até por que o futebol não se sustenta. Nossa ideia aqui é simples: o basquete do Palmeiras tem que conseguir patrocínio e tem que ser auto-sustentável.

Sabemos que o Palmeiras deve milhões ao governo e isso nos impede de ter acesso a leis de incentivo ao esporte para captação de patrocínios. Por não estarmos quites com o governo, uma empresa prefere colocar dinheiro no Pinheiros do que no Palmeiras. O dinheiro que a empresa dá para o Pinheiros, ela pagaria em imposto. Com o Palmeiras, não. Não se pode usar desse recurso por que estamos em débito com o governo. Isso não é culpa do Nobre, nem do Brunoro.

Mas o Pinheiros não é o Palmeiras. O Pinheiros não coloca 10% do público que nós colocamos no ginásio. O Pinheiros não sai toda semana na mídia, como o Palmeiras saía na época da NBB. O Pinheiros não tem uma torcida fanática como a do Palmeiras. Aliás, o Pinheiros tem torcida? O Paulistano? Fui no Paulistano esse ano e tinha mais Palmeirense que público deles. Público, por que ali ninguém torcia. Só nós.

E aí vem a nossa cobrança. Brunoro teve sua empresa ligada ao projeto de profissionalização da CBB. Em seu site, se gaba de ter estabelecido uma parceria de 16 anos que “levou o Brasil de volta aos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012” e que se encerrou faz algumas semanas em comum acordo das partes.

Vejam o que a nota de agradecimento de José Carlos Brunoro destaca. Abro aspas para o CEO:

“Participamos da implementação desse processo de profissionalização do basquete brasileiro e conseguimos conquistar os objetivos traçados inicialmente. Foi desenvolvido um plano de gestão profissional para a CBB.”

Profissionalização do basquete brasileiro? Objetivos traçados inicialmente? Plano de gestão profissional?

A nota do site ainda se encerra com o seguinte parágrafo:

“Entre os feitos conquistados nesta parceria, o destaque é a participação das Seleções Brasileiras Feminina e Masculina nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, o que não ocorria desde a edição de Atlanta, em 1996, além do plano de gestão profissional e consultoria dentro da entidade nas áreas técnica, marketing, administrativa e financeira.”

Mais uma vez, plano de gestão profissional? Consultorias técnicas, de marketing, administrativas e financeiras dentro da CBB?

Porra Brunoro, se você conquistou tudo isso em nossa confederação nacional, se você fez lá um plano de gestão profissional, com objetivos traçados inicialmente, que incluíam a chegada a Jogos Olímpicos desde que sua parceria chegou à CBB, se você prestou consultorias técnicas nas áreas administrativa, financeira e de marketing, você é o cara para reerguer nosso basquete, certo? ERRADO! Esse pica das galáxias fodão, que fez tudo isso aí em cima na CBB, alega que não consegue patrocínio para manter o basquete! O basquete e outras modalidades profissionais do clube podem acabar por falta de patrocínio. O fodão aí não consegue um patrocínio de 300 mil por mês para manter o time de basquete. Vejam só! R$300 mil reais por mês!

Isso é inadmissível, amigos Palmeirenses! É de doer o coração. Ontem fomos apoiar os moleques do sub-16 em jogo duríssimo contra o SESI. A cada tempo técnico cantávamos “não é mole não, querem acabar com o basquete do Verdão!” e outros cânticos que chegaram aos ouvidos de todos no Palestra. Aliás, como havíamos marcado a reunião pelo basquete no Facebook e combinado de ficar para o jogo, surpreendentemente, estavam lá conselheiros e vices, até Genaro Marino apareceu. Uma reunião aconteceu entre os diretores de basquete, de esportes olímpicos, Marino e alguns conselheiros a portas fechadas. Depois disso, Genaro Marino, conversou com a gente e colocou:

“Não há dinheiro, não há patrocínio. Temos algumas propostas mas só para daqui a dois três meses e nós temos que renovar com os jogadores até 15 de maio. Não há patrocínio nem para o futebol”.

E afirmou ainda que Brunoro está focado em conseguir patrocínio para o futebol primeiro. Meus caros, uma coisa pode ou não ter a ver com a outra. Empresas menores podem patrocinar o basquete e não ter bala para o futebol. Tem que correr para todos os lados, não pode ter foco. O Supermercado da Maria pode ter um espaço de 1 cm na parte de trás do calção do basquete e pagar 3 mil reais por mês para isso. Um cara que fez o plano de gestão profissional da Confederação Brasileira de Basquete e se vangloria de ter ajudado a profissionalizar a CBB, não pode vir com um papo desse.

Aonde estão os profissionais que auxiliariam as modalidades a obterem recursos para se autossustentarem? Isso era promessa de campanha do Nobre!

Palmeirense, vamos abraçar essa causa. Nosso basquete já revelou Oscar Schmidt, Leandrinho e temos agora uma das maiores promessas do nosso basquete em nossa base, o garoto Wesley Sena. A base precisa de um time principal, se não, abastecemos os outros. Não pode. Nosso basquete tem mais de 90 anos. Alguns diretores se mataram para que o Palmeiras tivesse um time na NBB. Depois de anos e anos de luta, chega o cara que participou “da implementação desse processo de profissionalização do basquete brasileiro” e não consegue meter patrocínio para o nosso basquete? E vivemos a ameaça de acabar com essa equipe que tanto nos orgulhou?

Desculpa aí. Essa nós não engolimos. E por isso, não vamos ficar parados. A luta já começou.

Sábado, temos assembleia de sócios que vai definir pelo filtro para candidatos. Aproveitaremos a oportunidade para fazer um auê na porta do Palestra em defesa do nosso basquete. A partir das 10h30 da manhã, nos reuniremos na porta de nossa segunda casa para cobrar para que possamos continuar a exercer nosso direito de sermos Palmeirenses e de levar nosso pavilhão às alturas, como sempre fizemos em nossa história. Cobrar não é desestabilizar, como os chapa-branca e os defensores de Paulo Nobre bradam aos quatro cantos. Cobrar é exigir algo que foi prometido, é exigir agilidade, é exigir patrocínio daquele que se orgulha de ter participado da implementação do profissionalismo do basquete brasileiro. E fazer valer o direito democrático de participação.

Junte-se a nós nessa luta. A luta pelo Palmeiras. Ajude a subir a tag #AvantiBasqueteSEP nas redes sociais. Avise sues amigos, compareça ao Palestra e nos ajude com essa manifestação de apoio a esta modalidade que tanto nos orgulhou. Vamos apoiar os atletas que se mataram em quadra, enquanto outros se matam nas bebedeiras do Vila Country e não jogam, ganhando fortunas que pagariam as despesas de toda uma modalidade de alta competição.

Vamos cobrar a possibilidade de fazermos um lindo papel no centenário do nosso clube. Disputando as modalidades que nos ajudaram a sermos o gigante que somos hoje. O futebol é a mola mestra de tudo. Mas ali, no basquete e no futsal, muitas crianças tem a liberdade e a possibilidade de experimentar o mais puro e singelo ato de amor ao Palmeiras: torcer.

Vamos, Palmeiras! #AvantiBasqueteSEP

Aqui, recado do Divino, que entrou na luta pelo basquete:

————-

Apenas para ver se eu entendi direito. Brunoro encerrou uma parceria de 16 anos com a CBB. Diz que levou o Brasil de volta às Olimpíadas, coisa que não acontecia desde 1996. Mmmmmm…. 2013 menos 16, dá 1997. Quer dizer que Brunoro começou a parceria com a CBB um ano depois dos Jogos de Atlanta. Tá certo. E desde então, até ano passado, não participamos mais de Jogos Olímpicos? Mmmmmm…. Será que Brunoro participou do projeto que levou o Brasil de volta aos Jogos Olímpicos, ou durante a sua parceria de 16 anos na CBB, o Brasil só foi a aos Jogos de Londres? Questão de perspectiva, né?

Pelo que vem fazendo com nosso basquete…

————

Menos de uma hora depois do post publicado, nosso grande parceiro Fabio Tatu, do excelente Porcopedia, nos mandou esse tweet:

Tweet do Fabio Tatu, parceiro da luta pela Sociedade Esportiva Palmeiras

Tweet do Fabio Tatu, parceiro da luta pela Sociedade Esportiva Palmeiras

E adivinhem? Era o blog “Bala na Cesta“, do UOL, com um texto de Fabio Balassiano:

No texto, diz-se que a parceria foi de 4 anos, e não 16 como no site de Brunoro.

No texto, diz-se que a parceria foi de 4 anos, e não 16 como no site de Brunoro.

Anúncios

7 comentários em “#AvantiBasqueteSEP Todos ao Palestra, Sábado (4/5) 10h30

  1. Gustavo Berti
    maio 2, 2013

    ESSA É A NOSSA DIFERENÇA

  2. Fernando Galuppo
    maio 2, 2013

    Estamos engajados nesse sentimento e nessa justa batalha!

  3. claudio longo
    maio 3, 2013

    Sou sócio e ex atleta de basquete da SOCIEDADE ESPORTIVA PALMEIRAS, esta situação é uma VERGONHA, há muitos assuntos a serem revelados, inclusive a postura ortodoxa de uma gestão com embalagem de moderna, com os velhos vícios, aos olhos de MUMU, o maldito, desta forma uma atitude de repudio dever ser apresentadas a todos, pois creio que Nobre e Brunoro ainda estão muito além das expectativas, o trabalho é pífio, os resultados dentro e fora das disputas é nulo, a ausência de dinheiro e igual a incapacidade de gestão que se diz profissional, mas mantem o mesmo amadorismo que já conhecemos, uma lastima!

  4. claudio longo
    maio 3, 2013

    O senhor Brunoro ainda não diz a que veio, é uma figura pitoresca sem luz própria, realmente compramos gato por lebre, já que acredito ser este senhor um ex administrador de dinheiro alheio,(Parmalat), sendo que em outras atividades ou agremiações , tornou-se um mero coadjuvante, ou alguém recorda algum êxito deste senhor após sua saída do Palmeiras?

  5. Stefano Tevo Filho
    maio 4, 2013

    O Valdívia ganha mais que o basquete inteiro e o que ele faz pelo Palmeiras ?

  6. Stefano Tevo Filho
    maio 4, 2013

    Ñ sei o q é pior p o Brunoro: confessar q foram só 4 anos, ou dizer q foram 16 anos p o basquete ir p Londres, APESAR DELE.

  7. Stefano Tevo Filho
    maio 4, 2013

    Quem patrocina o Valdívia ?

Deixe um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em maio 2, 2013 por em Uncategorized.

(Publicidade Gratuita até 20/05/14) #AvantiBasqueteSEP

@ArqPalestrina

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.

%d blogueiros gostam disto: